"Só uso a palavra para compor meus silêncios"

Manoel de Barros


Eu só tenho usado o silêncio para compor os meus gritos...

Este é pura e simplesmente um espaço na mídia para divulgar meus poemas, contos, crônicas e artigos de opinião, bem como dos meus mestres e mestras da Filosofia e ARTES de um modo geral. Amo ESCREVER, acima de todas as coisas, então faço desse espaço o meu "grito de alerta", sem maiores pretensões...mas sempre com muitas provocações, pois fazem-se necessárias para que não sigamos mansos a trilha da manada direto para o matadouro... Apesar de todas as decepções, eu AINDA creio e amo o ser humano, então vamos lutar todos juntos em UNICIDADE, AMOR E FRATERNIDADE.

sexta-feira, 16 de abril de 2010

QUASE SEMPRE O RISCO TRANSBORDA DE AMOR

Mesmo quando me sinto frágil, cansada, debilitada
o risco transborda de amor
ainda que eu queira odiar
não consigo...
deve ser defeito de fábrica
ou confluência astral, sei lá.

Dá vontade de gritar, eu grito.
Dá vontade de xingar, eu xingo.
Dá vontade de proferir um magnânimo palavrão, eu profiro.
Dá vontade de pedir amor, carinho, atenção feito um mendigo
na Central do Brasil ou de qualquer outro lugar do Brasil, eu peço.
Eu imploro, ajoelho, estendo a mão, a boca e o terço
e me ofereço
levo bofetadas, pedradas e cusparadas, foda-se, eu aguento.

Nada me desviará deste meu caminho
que demorei tanto a assumí-lo
seja por vaidade, piedade ou falta do que fazer.
Mas eu quero fazer. E vou fazer.

Em meu baú de dejetos e pobrezas, não cabem certezas
apenas um louco porvir azul de esperanças
e um canteiro imenso
de Coras, Cecílias, Adélias, Manoéis, Drummond's, Thiagos
e tantos outros menestréis...

que farão de Lou não apenas mais um nome nesse jardim
mas também símbolo de redenção
a minha redenção.

Lou