"Só uso a palavra para compor meus silêncios"

Manoel de Barros


Eu só tenho usado o silêncio para compor os meus gritos...

Este é pura e simplesmente um espaço na mídia para divulgar meus poemas, contos, crônicas e artigos de opinião, bem como dos meus mestres e mestras da Filosofia e ARTES de um modo geral. Amo ESCREVER, acima de todas as coisas, então faço desse espaço o meu "grito de alerta", sem maiores pretensões...mas sempre com muitas provocações, pois fazem-se necessárias para que não sigamos mansos a trilha da manada direto para o matadouro... Apesar de todas as decepções, eu AINDA creio e amo o ser humano, então vamos lutar todos juntos em UNICIDADE, AMOR E FRATERNIDADE.

segunda-feira, 10 de maio de 2010

CORPO VAGO HORAS VAZIAS


Os olhares perpassam
a silhueta nua
Seguram pelas ancas
ora vigorosos
ora lentos
O Corpo vibra
trepida,sente...

Espasmo sem ninho
Concha inócua
Não acalenta
nem o primeiro som
Origem dos Mundos.

Quando só o corpo é preenchido
logo fica vago
a fome permanece

Nada sacia...

Continua vagando
por ruas escuras
escondido
em horas vazias de lua.

O Corpo que é sobretudo volúpia
parece esqueleto sem medula.

Perde talvez sua condição mais nobre:
ser o abrigo de uma alma que não flutua.
Só; desdenhosamente ela adormece,
tendo o corpo apenas por moldura.


Lou Albergaria