"Só uso a palavra para compor meus silêncios"

Manoel de Barros


Eu só tenho usado o silêncio para compor os meus gritos...

Este é pura e simplesmente um espaço na mídia para divulgar meus poemas, contos, crônicas e artigos de opinião, bem como dos meus mestres e mestras da Filosofia e ARTES de um modo geral. Amo ESCREVER, acima de todas as coisas, então faço desse espaço o meu "grito de alerta", sem maiores pretensões...mas sempre com muitas provocações, pois fazem-se necessárias para que não sigamos mansos a trilha da manada direto para o matadouro... Apesar de todas as decepções, eu AINDA creio e amo o ser humano, então vamos lutar todos juntos em UNICIDADE, AMOR E FRATERNIDADE.

terça-feira, 7 de setembro de 2010

O SOMBRERO


Dispo-Me

desta tua Pele

que Me arruína

Faz o indulgente

indigente

A Morte anuncia

Promessa de Vida não Cumprida

A Fantasia se rasga

em Milhões de rodopios

Cadafalso

esmaga o Verso

Morre de Asfixia

Hoje não te Mereço

Entrego-te sem colocar preço

O Delírio

tornou-se por demais Sombrio
Restou-me pouco Sol

para o largo Sombrero.


Lou Albergaria