"Só uso a palavra para compor meus silêncios"

Manoel de Barros


Eu só tenho usado o silêncio para compor os meus gritos...

Este é pura e simplesmente um espaço na mídia para divulgar meus poemas, contos, crônicas e artigos de opinião, bem como dos meus mestres e mestras da Filosofia e ARTES de um modo geral. Amo ESCREVER, acima de todas as coisas, então faço desse espaço o meu "grito de alerta", sem maiores pretensões...mas sempre com muitas provocações, pois fazem-se necessárias para que não sigamos mansos a trilha da manada direto para o matadouro... Apesar de todas as decepções, eu AINDA creio e amo o ser humano, então vamos lutar todos juntos em UNICIDADE, AMOR E FRATERNIDADE.

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

HAIKAIS E QUE TAIS...


Coração vago
a sombra no abismo
na alma chove.

***
Leão faminto
sem pássaros na alma
poeta morre.

***

Menina sonha
o abrigo que não vem
na noite fria.

***
Frio na alma
poesia que eu sou
morte súbita.

***

Semente parte
a vida pelo meio
solidão nasce.

***

Língua Aduba
o canteiro floresce
beijos úmidos.

***

Novelo de lã
tece sonhos, menina,
que morrem nesse frio.

***
Concha se fecha,
O som da angústia
aprisiona.

***

Sorriso breve
tênue armadura
soterra a alma.

***

vago(O)risco
perco toda palavra
que não é amor.

***

O sol se cansa
(entre)linhas escuras
neve me(dita).

***

Noite sombria
o sol pede abrigo
nas cores simples.

***

Filha da Noite
Lua de fel suspira
tempo que arde.

***

Cai densa sombra
no silêncio eu sou
flor que fecunda..

***

As negras asas
sopram ternas sementes
o poeta nasce.

***

O mar agita
pássaro se revolta
o poeta morre.

***

Poesia vil,
o espinho que cala
sentimento nú.

***

Na noite que ri
primavera encanta
feia verdade.

***
Torpes amores
não mais me cicatrizam
coração sangra.

***

Sonho contigo
folhas caem da alma
eu resuscito.

***

Lou Albergaria